Economia

Dois edifícios simbólicos vendidos por 11 milhões de euros em Portugal

Também em Portugal, os imóveis tornam-se líquidos graças à blockchain e aos tokens digitais. Startup Wecan Tokenize está anunciando a conclusão de sua primeira venda usando sua plataforma.

Lançado em Outubro, acolheu a sua primeira venda de imóveis envolvendo dois edifícios localizados em Lisboa. Para esta operação, a empresa começou por transformar os activos imobiliários em fichas, ou seja, fichas digitais.

Moedas para ofertas de investimento imobiliário
Foram estas fichas que foram depois postas à venda através da plataforma a investidores qualificados, principalmente europeus. O subjacente a estas fichas são dois edifícios residenciais no centro de Lisboa com 151 e 42 habitações, respectivamente.

Mais especificamente, esta primeira transacção da Wecan Tokenize envolve o financiamento de dois projectos imobiliários e um empréstimo num montante total de 11 milhões de euros.

Em um comunicado de imprensa, a empresa de tecnologia, sediada na Suíça e parceira do Geneva Management Group (GMG), afirma que este montante está dividido em três ofertas: duas ofertas de investimento imobiliário por 1,3 e 4 milhões de euros, bem como uma oferta de empréstimo a prazo de 6 milhões de euros. Cada oferta tem uma taxa de retorno superior a 10%.

Note-se que a tokenização destes activos permite que os compradores iniciais os vendam livremente a outros “investidores qualificados” de acordo com as regras estabelecidas através de um contrato inteligente.

Um grupo financeiro e um promotor associado à blockchain
A Wecan Tokenize atualmente hospeda em sua plataforma os projetos de dois players imobiliários, o grupo financeiro suíço GMG e a incorporadora Capelli. No entanto, os planos de arranque a longo prazo para acolher “outros intervenientes no sector imobiliário. »

Em França, uma primeira venda de imóveis comparável, a AnnA, foi realizada em Junho passado na região de Paris através da plataforma EquiSafe. Montante da transacção: 6,5 milhões de euros sob a forma de 100 fichas.

Os investidores, dois promotores, devem conservar as fichas durante pelo menos um ano. No entanto, as fichas foram concebidas para serem divididas, permitindo teoricamente a troca de acções com um montante mínimo de 6,5 euros no mercado secundário.