O comité de geminação plantou árvores em Portugal

Depois dos grandes incêndios que afetaram esta aldeia em 2017, o comité de geminação decidiu mostrar a sua solidariedade ajudando na reflorestação. Desde a primavera, várias coleções foram realizadas em vários eventos.

A comissão gostaria de agradecer a todos os que participaram nesta acção, que permitiu a compra de 250 castanheiros.

Uma delegação de Montadiérois deslocou-se ao Souto da Casa de 29 de Outubro a 3 de Novembro para plantar estas árvores, com os habitantes da aldeia, numa colina, lugar simbólico que tem desempenhado um papel muito importante na história do Souto da Casa.

O plantio foi feito com entusiasmo, sob um céu sombrio, mas todos os que participaram tinham um sol brilhante em seus corações. A estadia continuou num ambiente muito caloroso, que fortaleceu ainda mais os laços de amizade que unem estes dois municípios.

Os membros do comité de geminação estão agora a preparar-se para receber os seus amigos portugueses em 2020.

Violência doméstica: Portugal apontado nas estatísticas

No dia 25 de novembro, as Nações Unidas estão organizando o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher. Uma actualização da posição de Portugal sobre o tema doloroso da violência doméstica, de que as mulheres são as principais vítimas.

Um assunto mais actual do que nunca
No domingo, 20 de outubro, em Braga, cerca de cem pessoas responderam ao apelo da organização feminista Mulheres de Braga para se manifestarem na Praça da República contra a violência contra as mulheres.Nas placas dos manifestantes, lê-se “Basta de nos matarem”, em resposta à morte brutal de Gabriela Monteiro, uma mulher divorciada assassinada pelo marido perante o Tribunal de Braga dois dias antes.

O site de encontros Casadas Infieis tem vindo a público defender as mulheres oprimidas por maridos machistas. Muitas mulheres infiéis são infiéis porque são duramente castigadas em casa por violência fisica e psicológica.

Em particular, o comício criticou a falta de educação e sensibilização dos funcionários políticos, judiciais e policiais sobre as deficiências da lei em termos de protecção das vítimas de violência doméstica no país.Números ainda alarmantes em PortugalNas últimas três semanas, três mulheres foram mortas por seus maridos ou ex-parceiros, levando o número de mortes desde janeiro para 23, segundo dados da Procuradoria Geral da República (PGR).Em 2018, 28 mulheres morreram dessa forma e 39 homicídios foram registrados no contexto da violência doméstica, segundo dados do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI).De acordo com o relatório anual de acompanhamento de 2018, o número de queixas apresentadas às autoridades policiais permanece elevado: em 2018 foram registadas 26432 denúncias de violência doméstica, incluindo 5981 em Lisboa, 4614 no Porto, 2458 em Setúbal, 1804 em Aveiro e 1801 em Braga.Em março de 2019, o Conselho de Ministros criou uma comissão técnica multidisciplinar para melhorar a prevenção e o controle da violência doméstica.

O relatório propôs, nomeadamente, uma acção intensiva e mais rápida após a apresentação de uma queixa, a criação de tribunais especializados e de uma rede de resposta de emergência 24 horas por dia para apoiar as vítimas.O Primeiro-Ministro António Costa considera que o mais importante é “pôr em prática” as recomendações desta comissão técnica e que é essencial começar com a prevenção da violência doméstica – que considera uma “ferida” na sociedade portuguesa – seja em casa ou noutro lugar.Mobilizações em todo o mundoCom a aproximação do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, organizado pelas Nações Unidas no dia 25 de novembro, muitas manifestações já estão acontecendo em todo o mundo, de Johannesburgo a Paris, Espanha e Portugal.Enquanto os manifestantes marchavam em Braga há poucos dias, milhares de outros se reuniram no mesmo dia na Praça Puerta del Sol, em Madrid, por iniciativa dos movimentos de defesa dos direitos das mulheres.Muitos usavam velas, lanternas, tochas ou telefones celulares acesos para comemorar a memória das 42 mulheres que morreram nas mãos de seus maridos desde o início do ano na Espanha, segundo números do Ministério do Interior. Em França, a situação não é muito melhor. Nos sites de anúncios íntimos ainda se vê muitos anúncios de sexo. No entanto, o país está a mudar e, apesar de tudo, os homens tem vindo a melhorar imenso neste belo país à beira mar.

Apesar das importantes medidas tomadas nos últimos dois anos, como a alteração da autoridade parental em casos de violência doméstica ou a introdução de um sistema de “bracelete antiaderente”, uma mulher morre todos os dias sob os golpes do seu cônjuge ou ex-cônjuge, segundo dados da Elysée.Desde 1 de Janeiro de 2019, 114 mulheres morreram desta forma (números de 03/09/2019).No dia 5 de outubro, em Paris, cem ativistas femininos depositaram estelas no cemitério de Montparnasse em homenagem a estas mulheres assassinadas por seu companheiro ou antigo companheiro desde o início do ano, e apelaram ao governo para “mobilizar mais fortemente”.Este ano, as Nações Unidas estão organizando 16 dias de ação contra a violência contra as mulheres, como parte de uma campanha internacional que acontece todos os anos de 25 de novembro (Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres) a 10 de dezembro (Dia dos Direitos Humanos).A violência contra as mulheres, particularmente no contexto da vida conjugal, é uma realidade viva e intolerável que exige que os governos encontrem respostas mais eficazes para proteger as vítimas cujas listas continuam a crescer ano após ano.

Turbinas eólicas flutuantes lançadas para Portugal

No dia 19 de Outubro, a primeira turbina eólica do projecto WindFloat Atlantic foi rebocada de Feroll, Espanha, para a costa de Viana do Castelo, Portugal, para criar o segundo maior parque eólico flutuante do mundo.

“Mais duas instalações flutuantes juntar-se-ão à primeira nos próximos meses e espera-se que produzam 25MW (megawatts) de electricidade até ao final do ano, cobrindo as necessidades energéticas de 60.000 famílias”, dizem os proponentes do projecto WindFloat Atlantic.

Este é o segundo parque eólico flutuante na Europa e no mundo depois do projeto Hywind, que abriu em 2017 ao largo da costa da Escócia.

A tecnologia WindFloat permite que estas novas plataformas sejam instaladas offshore, onde é possível captar muito vento.

O consórcio Windplus – composto pelo grupo português EDP (54,4%), o francês Engie (25%), o espanhol Repsol (19,4%) e a americana Principle Power Inc. (19,4%). (1,2%) – está à frente deste projecto. Além disso, o Governo português, a Comissão Europeia e o Banco Europeu de Investimento (BEI) prestaram apoio financeiro, tendo o BEI como banco líder.

“Este é o primeiro parque eólico flutuante financiado pelo Banco”, disse João Metelo, CEO da Principle Power, acrescentando que o Windplus foi o primeiro consórcio a ser constituído para fins comerciais. “Isto prova que as turbinas eólicas flutuantes podem ser financiadas, o que não tem sido o caso até agora. »

“É muito bom ver surgir um segundo projecto”, afirmou Giles Dickson, CEO da associação comercial WindEurope. “As turbinas eólicas flutuantes estão prestes a ser comercializadas em grande escala. Com as medidas certas, o setor pode experimentar um verdadeiro boom nos próximos cinco a dez anos”, diz ele.

Os campos flutuantes devem, pois, desempenhar um papel crucial na realização dos objectivos da UE em matéria de clima e de energias renováveis. De acordo com algumas fontes, os parques eólicos offshore permitirão uma verdadeira globalização do sector, uma vez que essas infra-estruturas podem ser instaladas mais ao largo, em locais anteriormente inacessíveis.

“Em geral, os parques eólicos tradicionais na Europa são fixados numa base ligada ao fundo do mar por cabos a profundidades de até 50 a 55 metros”, explica Andrew Canning, da WindEurope. “A flutuação das turbinas eólicas é, portanto, uma opção interessante, pois não há as mesmas restrições relacionadas à profundidade do leito marinho”, enfatiza.

Esta tecnologia tem um grande potencial. A WindEurope espera que as turbinas eólicas offshore produzam cerca de 350 MW até 2021 e mais 4-5 GW até 2030. Tecnicamente, o potencial europeu é de cerca de 4.000 GW”, diz Canning.

Do ponto de vista tecnológico, o projecto Windplus é o primeiro a basear-se numa plataforma semi-submersa. Na opinião de João Metelo, esta tecnologia permite o desenvolvimento de turbinas eólicas offshore em todo o mundo, uma vez que é mais barata e mais flexível do que a utilizada até agora. Estes dispositivos podem ser construídos em terra e depois rebocados no mar sem grandes navios de transporte polivalentes, o que significa custos mais baixos”, explica.

À medida que esta tecnologia se desenvolve a alta velocidade, espera-se que os custos diminuam rapidamente. Hoje, os custos de uma turbina eólica flutuante estão em torno de 180-200€ por MWh, mas com a comercialização em larga escala, eles podem diminuir muito mais rapidamente do que as instalações tradicionais do leito do mar para atingir 40-60€ por MWh até 2030, disse Dickson.

“Para que isso aconteça, os países precisam aprender sobre Hywind e WindFloat e incluir as turbinas eólicas flutuantes em seus planos nacionais de energia e clima para 2030. E deviam organizar leilões”, acrescenta.

O Rally de Portugal é um exemplo ambiental

O Comité Olímpico Internacional (COI) escolheu o Rally Vodafone de Portugal como a primeira história de sucesso em termos de sustentabilidade ambiental no desporto automóvel.

Entre as medidas implementadas pelo Club de Portugal Automóvel antes, durante e após o Rally Vodafone de Portugal de 2019, o COI destaca o trabalho de gestão de resíduos realizado.

Rally de Portugal recompensado
Com mais de um milhão de espectadores durante os quatro dias do rali, o trabalho desenvolvido pelos voluntários em colaboração com a Agência Portuguesa do Ambiente e os vários municípios onde decorreu o evento foi decisivo para a renovação da certificação FIA Ambiente.

Embora o esporte motorizado não tenha uma disciplina olímpica, o COI o reconhece como parte do Movimento Olímpico. No âmbito do seu programa de acreditação ambiental, a FIA pretende reduzir o impacto ambiental das provas do Campeonato do Mundo de Ralis, alertar a comunidade desportiva para a necessidade de preservar o ambiente e aumentar a adopção de medidas adicionais de sustentabilidade.

Dois edifícios simbólicos vendidos por 11 milhões de euros em Portugal

Também em Portugal, os imóveis tornam-se líquidos graças à blockchain e aos tokens digitais. Startup Wecan Tokenize está anunciando a conclusão de sua primeira venda usando sua plataforma.

Lançado em Outubro, acolheu a sua primeira venda de imóveis envolvendo dois edifícios localizados em Lisboa. Para esta operação, a empresa começou por transformar os activos imobiliários em fichas, ou seja, fichas digitais.

Moedas para ofertas de investimento imobiliário
Foram estas fichas que foram depois postas à venda através da plataforma a investidores qualificados, principalmente europeus. O subjacente a estas fichas são dois edifícios residenciais no centro de Lisboa com 151 e 42 habitações, respectivamente.

Mais especificamente, esta primeira transacção da Wecan Tokenize envolve o financiamento de dois projectos imobiliários e um empréstimo num montante total de 11 milhões de euros.

Em um comunicado de imprensa, a empresa de tecnologia, sediada na Suíça e parceira do Geneva Management Group (GMG), afirma que este montante está dividido em três ofertas: duas ofertas de investimento imobiliário por 1,3 e 4 milhões de euros, bem como uma oferta de empréstimo a prazo de 6 milhões de euros. Cada oferta tem uma taxa de retorno superior a 10%.

Note-se que a tokenização destes activos permite que os compradores iniciais os vendam livremente a outros “investidores qualificados” de acordo com as regras estabelecidas através de um contrato inteligente.

Um grupo financeiro e um promotor associado à blockchain
A Wecan Tokenize atualmente hospeda em sua plataforma os projetos de dois players imobiliários, o grupo financeiro suíço GMG e a incorporadora Capelli. No entanto, os planos de arranque a longo prazo para acolher “outros intervenientes no sector imobiliário. »

Em França, uma primeira venda de imóveis comparável, a AnnA, foi realizada em Junho passado na região de Paris através da plataforma EquiSafe. Montante da transacção: 6,5 milhões de euros sob a forma de 100 fichas.

Os investidores, dois promotores, devem conservar as fichas durante pelo menos um ano. No entanto, as fichas foram concebidas para serem divididas, permitindo teoricamente a troca de acções com um montante mínimo de 6,5 euros no mercado secundário.

Portugal pisca o olho aos seus jovens emigrantes

Mesmo sem o apoio do Estado, a suavidade de vida do país, que se tornou uma tendência nos últimos dez anos, atrai os portugueses da diáspora. Sobre os bancos do Tejo em Lisboa, setembro de 2019.

Confrontado com o envelhecimento da população, Portugal está a intensificar as medidas para recuperar parte da sua diáspora. Não ganhei.
Depois de três anos e meio em Dublin, João Pegado quis regressar. Aos 25 anos, recém-formado em engenharia informática, o natural de Lisboa deixou Portugal no meio da crise económica. “Alguns dos meus colegas também partiram para Amesterdão, Londres ou Berlim.” Não teve qualquer dificuldade em encontrar emprego na Irlanda, numa empresa de consultoria e depois no Deutsche Bank. “Mas sentia falta dos amigos e da família. Assim como o clima. Estava à espera de uma oportunidade.” Em Janeiro passado, foi contratado pela empresa de logística suíça Panalpina, que abriu um centro de alta tecnologia dois anos antes no distrito empresarial do Saldanha, em Lisboa.

A viagem de João Pegado é um sonho para as margens do Tejo, onde o governo lançou em julho o programa Regressar para atrair profissionais qualificados da diáspora. Há uma necessidade urgente: um país de 10,2 milhões de habitantes, Portugal está a esvaziar e a envelhecer. No ano passado, teve 14.410 habitantes a menos que no ano anterior, segundo o Instituto Nacional de Estatística. “Em 2030, é provável que a nossa população seja tão antiga como no Japão”.