Ambiente

Turbinas eólicas flutuantes lançadas para Portugal

No dia 19 de Outubro, a primeira turbina eólica do projecto WindFloat Atlantic foi rebocada de Feroll, Espanha, para a costa de Viana do Castelo, Portugal, para criar o segundo maior parque eólico flutuante do mundo.

“Mais duas instalações flutuantes juntar-se-ão à primeira nos próximos meses e espera-se que produzam 25MW (megawatts) de electricidade até ao final do ano, cobrindo as necessidades energéticas de 60.000 famílias”, dizem os proponentes do projecto WindFloat Atlantic.

Este é o segundo parque eólico flutuante na Europa e no mundo depois do projeto Hywind, que abriu em 2017 ao largo da costa da Escócia.

A tecnologia WindFloat permite que estas novas plataformas sejam instaladas offshore, onde é possível captar muito vento.

O consórcio Windplus – composto pelo grupo português EDP (54,4%), o francês Engie (25%), o espanhol Repsol (19,4%) e a americana Principle Power Inc. (19,4%). (1,2%) – está à frente deste projecto. Além disso, o Governo português, a Comissão Europeia e o Banco Europeu de Investimento (BEI) prestaram apoio financeiro, tendo o BEI como banco líder.

“Este é o primeiro parque eólico flutuante financiado pelo Banco”, disse João Metelo, CEO da Principle Power, acrescentando que o Windplus foi o primeiro consórcio a ser constituído para fins comerciais. “Isto prova que as turbinas eólicas flutuantes podem ser financiadas, o que não tem sido o caso até agora. »

“É muito bom ver surgir um segundo projecto”, afirmou Giles Dickson, CEO da associação comercial WindEurope. “As turbinas eólicas flutuantes estão prestes a ser comercializadas em grande escala. Com as medidas certas, o setor pode experimentar um verdadeiro boom nos próximos cinco a dez anos”, diz ele.

Os campos flutuantes devem, pois, desempenhar um papel crucial na realização dos objectivos da UE em matéria de clima e de energias renováveis. De acordo com algumas fontes, os parques eólicos offshore permitirão uma verdadeira globalização do sector, uma vez que essas infra-estruturas podem ser instaladas mais ao largo, em locais anteriormente inacessíveis.

“Em geral, os parques eólicos tradicionais na Europa são fixados numa base ligada ao fundo do mar por cabos a profundidades de até 50 a 55 metros”, explica Andrew Canning, da WindEurope. “A flutuação das turbinas eólicas é, portanto, uma opção interessante, pois não há as mesmas restrições relacionadas à profundidade do leito marinho”, enfatiza.

Esta tecnologia tem um grande potencial. A WindEurope espera que as turbinas eólicas offshore produzam cerca de 350 MW até 2021 e mais 4-5 GW até 2030. Tecnicamente, o potencial europeu é de cerca de 4.000 GW”, diz Canning.

Do ponto de vista tecnológico, o projecto Windplus é o primeiro a basear-se numa plataforma semi-submersa. Na opinião de João Metelo, esta tecnologia permite o desenvolvimento de turbinas eólicas offshore em todo o mundo, uma vez que é mais barata e mais flexível do que a utilizada até agora. Estes dispositivos podem ser construídos em terra e depois rebocados no mar sem grandes navios de transporte polivalentes, o que significa custos mais baixos”, explica.

À medida que esta tecnologia se desenvolve a alta velocidade, espera-se que os custos diminuam rapidamente. Hoje, os custos de uma turbina eólica flutuante estão em torno de 180-200€ por MWh, mas com a comercialização em larga escala, eles podem diminuir muito mais rapidamente do que as instalações tradicionais do leito do mar para atingir 40-60€ por MWh até 2030, disse Dickson.

“Para que isso aconteça, os países precisam aprender sobre Hywind e WindFloat e incluir as turbinas eólicas flutuantes em seus planos nacionais de energia e clima para 2030. E deviam organizar leilões”, acrescenta.