Sociedade

Violência doméstica: Portugal apontado nas estatísticas

No dia 25 de novembro, as Nações Unidas estão organizando o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher. Uma actualização da posição de Portugal sobre o tema doloroso da violência doméstica, de que as mulheres são as principais vítimas.

Um assunto mais actual do que nunca
No domingo, 20 de outubro, em Braga, cerca de cem pessoas responderam ao apelo da organização feminista Mulheres de Braga para se manifestarem na Praça da República contra a violência contra as mulheres.Nas placas dos manifestantes, lê-se “Basta de nos matarem”, em resposta à morte brutal de Gabriela Monteiro, uma mulher divorciada assassinada pelo marido perante o Tribunal de Braga dois dias antes.

Em particular, o comício criticou a falta de educação e sensibilização dos funcionários políticos, judiciais e policiais sobre as deficiências da lei em termos de protecção das vítimas de violência doméstica no país.Números ainda alarmantes em PortugalNas últimas três semanas, três mulheres foram mortas por seus maridos ou ex-parceiros, levando o número de mortes desde janeiro para 23, segundo dados da Procuradoria Geral da República (PGR).Em 2018, 28 mulheres morreram dessa forma e 39 homicídios foram registrados no contexto da violência doméstica, segundo dados do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI).De acordo com o relatório anual de acompanhamento de 2018, o número de queixas apresentadas às autoridades policiais permanece elevado: em 2018 foram registadas 26432 denúncias de violência doméstica, incluindo 5981 em Lisboa, 4614 no Porto, 2458 em Setúbal, 1804 em Aveiro e 1801 em Braga.Em março de 2019, o Conselho de Ministros criou uma comissão técnica multidisciplinar para melhorar a prevenção e o controle da violência doméstica.

O relatório propôs, nomeadamente, uma acção intensiva e mais rápida após a apresentação de uma queixa, a criação de tribunais especializados e de uma rede de resposta de emergência 24 horas por dia para apoiar as vítimas.O Primeiro-Ministro António Costa considera que o mais importante é “pôr em prática” as recomendações desta comissão técnica e que é essencial começar com a prevenção da violência doméstica – que considera uma “ferida” na sociedade portuguesa – seja em casa ou noutro lugar.Mobilizações em todo o mundoCom a aproximação do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, organizado pelas Nações Unidas no dia 25 de novembro, muitas manifestações já estão acontecendo em todo o mundo, de Johannesburgo a Paris, Espanha e Portugal.Enquanto os manifestantes marchavam em Braga há poucos dias, milhares de outros se reuniram no mesmo dia na Praça Puerta del Sol, em Madrid, por iniciativa dos movimentos de defesa dos direitos das mulheres.Muitos usavam velas, lanternas, tochas ou telefones celulares acesos para comemorar a memória das 42 mulheres que morreram nas mãos de seus maridos desde o início do ano na Espanha, segundo números do Ministério do Interior. Em França, a situação não é muito melhor. Nos sites de anúncios íntimos ainda se vê muitos anúncios de sexo. No entanto, o país está a mudar e, apesar de tudo, os homens tem vindo a melhorar imenso neste belo país à beira mar.

Apesar das importantes medidas tomadas nos últimos dois anos, como a alteração da autoridade parental em casos de violência doméstica ou a introdução de um sistema de “bracelete antiaderente”, uma mulher morre todos os dias sob os golpes do seu cônjuge ou ex-cônjuge, segundo dados da Elysée.Desde 1 de Janeiro de 2019, 114 mulheres morreram desta forma (números de 03/09/2019).No dia 5 de outubro, em Paris, cem ativistas femininos depositaram estelas no cemitério de Montparnasse em homenagem a estas mulheres assassinadas por seu companheiro ou antigo companheiro desde o início do ano, e apelaram ao governo para “mobilizar mais fortemente”.Este ano, as Nações Unidas estão organizando 16 dias de ação contra a violência contra as mulheres, como parte de uma campanha internacional que acontece todos os anos de 25 de novembro (Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres) a 10 de dezembro (Dia dos Direitos Humanos).A violência contra as mulheres, particularmente no contexto da vida conjugal, é uma realidade viva e intolerável que exige que os governos encontrem respostas mais eficazes para proteger as vítimas cujas listas continuam a crescer ano após ano.